terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Durante uma aula, pensa-se nisto

Tenho uma pessoa na minha vida que é aquela pessoa da qual eu não gosto mesmo nadinha. Ela também não gosta nada de mim, mas o problema está no facto de eu achar que nós somos incrivelmente parecidas em algumas coisas. Conheci-a há cerca de cinco anos, sendo que no primeiro ano da nossa amizade nos dávamos muito bem!!! Éramos muito amigas, de facto, mas não sei porquê, ela começou a dizer mal de mim, behind my back. (Mais tarde, vim a perceber que fazia isto com toda a gente...) Começou a revelar-se uma pessoa muito diferente daquilo que toda a gente conhecia dela, até os amigos de longa data e surpreendeu meio mundo com as atitudes que teve. Não me revejo, de todo (!!!!), nas atitudes dela. É impossível alguém minimamente inteligente rever-se, ninguém faz aquilo que ela fez. Ela fez-me "muito mal" e é por isso que, neste momento, atravesso a linha de metro só para não ter de a cumprimentar. Não foi a amiga que eu achava que ela era, e deixei também de ser uma amiga para ela. Ela desiludiu-me imenso e perdoar-lhe o que ela fez, mesmo depois de a ter avisado é algo que, por muito boa pessoa que alguém possa ser, não faz. Não consigo dizer que não me marcou o que ela fez, mesmo que algumas das coisas não me estejam directamente ligadas, mas não consigo pensar sequer em algum dia voltar a ser amiga dela. E o problema vem agora, tenho muita pena disso. Nunca o admiti para ninguém, porque, de facto, ela não foi boa pessoa, mas eu gostei da nossa amizade durante o tempo que durou. Ou será que nunca chegou a ser uma amizade...?! Será que sempre foi um teatro? Será que ela sempre foi assim, reles, mas preferia amolecer-nos o coração e depois atacar por trás? Secalhar ainda fui amiga dela, enquanto ela fingia sê-lo para mim...

1 comentário:

Só Maria disse...

Se foste amiga dela, isso deve bastar-te. Não te condenes, mas preserva-te daqui para a frente. :)